Silêncio.

60

Silêncio. Nada se sente na Mourela. Rompe o ruído um coche que pasa pola estrada de Momám. Outro automóvel baixa. Freia a escassos metros dumha pintada enorme. Quanto mais? Baixa um homem. Queda cinco minutos mirando para as obras. Algo lhe chama a atençom. Mira para as cobertas de plástico negro que cobrem um descampado. Sobe ao carro e marcha em direçom ás Pontes. Nada entendeu. Silêncio.
Silêncio. Um funcionário a trabalhar. Racha o telefone a soar. Umha senhora pergunta quando poderá ir de Ferrol a Vilalba por autovia. Murmura algo. Já chamaram muitos mais para perguntar o mesmo. Nom tem nada que dizer. Silêncio.
Silêncio. Um quarto no que umha rapaça está a ler o jornal. A rádio está prendida e umha voz cálida faz a leitura do boletim. A voz cálida nom informa sobre umha nova política na que patrimônio arqueológico e infra-estruturas sejam compatíveis. No jornal aparecem mil notícias sobre isto e aquilo. Nom escrevem hoje sobre quando é que se vai reunir o Conselho da Xunta para dar umha saída ao círculo lítico. Silêncio.
Silêncio. Um pai com seu filho. A criança fica a jogar e ele adormecera diante do televisor. Esperta. A programação infantil ainda nom começou. Estám a emitir um documental sobre uns vestígios arqueológicos em Inglaterra. Dúzias de turistas com guarda-chuvas de todas as cores e com câmaras fotográficas caminham por meio do campo baixo o orvalho. Cambiam a toma. Um tipo loiro com umas lentes pitorescas afirma que a gente do condado está muito orgulhosa da sua história e diz que milheiros de visitantes acodem cada ano para ver os vestígios. O pai responde para si ‘mágoa de nom termos nós o mesmo’. O meninho joga distraído, alheio ás idéias dos adultos. Silêncio.
Silêncio. No estúdio prende umha luz vermelha por cima da câmara. O mais jovem dos comentaristas arranca a falar. Anota o tema da emissom. Cavaleiros Templários. Falam tempo e tempo. Coisas raras. Alguém aponta que os Templários se reúnem numha taverna de Pontedeume nas quartas. Chega o momento do público. Perguntam se sabem algo da Mourela. O que aparenta ser interessante, esse o da camisa azul, responde que se conta que os nativos asseguram que por vezes se vê passar o coche oficial dum conselheiro. Outro assegura que nas noites de plenilúnio aparecem as sombras de arqueólogos a trabalharem mudos. Silêncio.
Silêncio. Umha mulher está a teclar num computador. De quando em quando vacila. Agora escreve, agora para, agora borra, agora segue. Quere bosquejar diferentes situaçons que debuxem em três ou quatro traços o que ela pensa sobre que é o que acontece com o círculo lítico. Detêm-se. Discorre. A Xunta paga a autovia, a Xunta paga a escavaçom arqueológica, a Xunta quere finalizar a autovia, a Xunta quere que se acabe com a escavaçom. Entom se todos querem que se continue escavando para poder rematar e se há dinheiro, qual é o problema? Ninguém sabe. Sabes tu? Silêncio.
Comentario publicado por Silêncio.

Consegue en tempo real avisos de novos artigos no teu dispositivo, subscribete agora.

También podría gustarte
Comentarios